Radiohead prioriza canções dos três últimos álbuns em set pouco convencional em show no Rio de Janeiro

Patrocínio

Radiohead prioriza canções dos três últimos álbuns em set pouco convencional em show no Rio de Janeiro

Radiohead
Enfim chegou a hora da apresentação da banda Radiohead no Brasil após nove anos de espera. Como nos revela o Rockline, nem mesmo as sucessivas falhas no som comprometeram a apresentação enérgica dos britânicos que trouxeram a elegante turnê do álbum A Moon Shaped Pool à América do Sul com dois anos de “atraso”. Envoltos em clima etéreo e multicolorido, o vocalista Thom Yorke, os guitarristas Jonny Greenwood e Ed O’Brien, o baixista Colin Greenwood e o baterista Phil Selway hipnotizaram o público de 10 mil pessoas (segundo a organização do Soundhearts Festival) na noite desta sexta-feira (20), na Jeunesse Arena.
Com 13 minutos de atraso – o que é uma raridade para bandas britânicas -, o quinteto de Oxford (reforçado pelo percussionista Clive Deamer) subiu ao palco ao som de “Daydreaming” (2016), delicada canção que faz menção à artista plática Rachel Owen (companheira de Yorke durante 23 anos, e mãe de seus dois filhos, vítima de câncer em 2016). Do estágio do sonho ao abrupto despertar de “Ful Stop” (2016), um belo exemplo da fusão de rock e música eletrônica, o show é pontuado por esta alternância entre canções melodiosas – casos de “Nude” (2007) e “No Surprises” (1997) – e pulsações eletrônicas – “Bloom” (2012) e “Idioteque” (2000).
De seu universo particular, o Radiohead montou um setlist com poucas convenções. De 27 canções, 15 delas saíram de seus três últimos álbuns (seis de In Rainbows (2007), três de The King Of Limbs (2012) e outras seis do já mencionado A Moon Shaped Pool). Ainda assim, houve espaço para cinco clássicos de OK Computer (1997), o que não é pouca coisa. Na contramão disto, “Street Spirit (Fade Out)” foi a única representante de The Bends (1995). E o restante do repertório foi pinçado de outros trabalhos como Hail To The Thief (2003), Amnesiac (2001) e o intrigante Kid A (2000).
Thom Yorke não é exatamente um frontman que conversa com a plateia. Mas, por vezes, soltou sucessivos “obrigado” à plateia e divertiu o público com suas dancinhas pra lá de esquisitas (como não lembrar do clipe de “Lotus Flower”, de 2012?). A comunicação do Radiohead com seu público se estabelece única e exclusivamente pela música. O que explica o coral inebriante em canções como “Let Down” (1997) e, principalmente, “Weird Fishes/Arpeggi” (2007). Aqueles que não são tão ligados no repertório da banda, mas que possuem ouvidos mais atentos, descobriram que a canção faz parte da trilha internacional da novela O Outro Lado do Paraíso (TV Globo). As partes vocais feitas por Ed O’Brien foram assumidas pelo público em volume tão alto que o guitarrista por vezes deixava os fãs assumirem seu papel enquanto os observava com sorriso de orelha a orelha.
Na saída do primeiro bis, um grupo de fãs na frente do palco pedia por uma canção que raramente aparece nos shows da banda. E um Thom Yorke meio contrariado acabou voltando sozinho para o palco com um violão e entregou uma versão acústica de “True Love Waits” (1995), em um de seus raríssimos momentos de concessão. Duas curiosidades: a faixa só ganhou uma versão de estúdio definitiva em 2016 e já foi eleita em pesquisas (e por muitos fãs) como a canção mais triste do repertório da banda.
É verdade que não teve “Creep” (1993), “My Iron Lung” (1994) ou “Fake Plastic Trees” (1995). E nem precisava. Após quase duas horas e meia, fãs em êxtase berravam como se não houvesse amanhã a letra de “Paranoid Android” e, principalmente, “Karma Police”. Após o grupo deixar o palco, o público ficou cantando o trecho “For a minute there, I lost myself, I lost myself” na tentativa de fazê-los voltar ao palco para um terceiro bis. Não deu. Mas o Radiohead chega neste domingo (22) ao Allianz Parque, em São Paulo, com pelo menos 50 canções ensaiadas – o que promete ser mais um show de surpresas para os fãs paulistanos. Por enquanto, são os cariocas que estão em estágio de sonho.

SETLIST:
Daydreaming
Ful Stop
15 Step
Myxomatosis
Lucky
Nude
Pyramid Song
Everything In Its Right Place
Let Down
Bloom
Reckoner
Identikit
I Might Be Wrong
No Surprises
Weird Fishes/Arpeggi
Feral
Bodysnatchers

BIS 1:
Street Spirit (Fade Out)
All I Need
Desert Island Disk
Lotus Flower
The National Anthem
Idioteque

BIS 2:

True Love Waits
Present Tense
Paranoid Android
Karma Police

Postar um comentário

0 Comentários