Rocinha sofre com número de casos da Covid-19
  • Rocinha sofre com número de casos da Covid-19

    Rocinha sofre pela pandemia
    Se fossem um Estado avulso, as favelas do Rio estariam na 14ª posição na lista dos que mais registraram mortes pela covid-19 no País. São, ao todo, 176 óbitos confirmados pelo novo coronavírus até esta quinta-feira, 21, segundo levantamento da ONG Voz das Comunidades. As comunidades – que, segundo o Censo 2010 do IBGE, somam 1,4 milhão de pessoas – ficariam à frente, por exemplo, de Estados populosos como Rio Grande do Sul e Paraná, que têm populações de mais de 10 milhões de habitantes.
    A favela mais afetada é a Rocinha, na zona sul, com 49 mortes – mais que o dobro da Maré, na zona norte, que registra 23 óbitos e aparece em segundo na lista.
    Os números superlativos nas comunidades da capital também ficam claros quando comparados com municípios vizinhos. Com população de quase 1 milhão de pessoas, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, é a cidade fluminense mais afetada pelo coronavírus depois do Rio. E tem menos mortes que as favelas: 167.
    Em meio a esse cenário, as comunidades ainda enfrentam outro problema antigo: as operações policiais de combate ao tráfico. Mesmo com a pandemia, o Complexo do Alemão, na zona norte, passou por uma delas na semana passada. O resultado foram 13 mortes – a favela tem 14 óbitos por covid.
    "Em meio à pandemia, uma operação policial na favela. Aqui mesmo onde falta água e a fome se faz presente... Vejam, essa foi a principal forma que o estado dialogou com o nosso momento atual. A falsa ideia de guerra contra as drogas, que não transforma realidades de forma positiva e aumenta a violência. Lastimável. Se não morrer de vírus ou de fome, te matarão com tiros de fuzil, em nome de uma segurança pública que não inclui nosso povo", escreveu nas redes sociais o ativista Raull Santiago.
    O Estado do Rio registra, ao todo, 32.089 infectados e 3412 mortes pela doença. É o segundo mais afetado do País, atrás apenas de São Paulo. Veja abaixo a tabela pelo número de óbitos:


    Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

    Estadão

    Nenhum comentário

    Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!

    Seguir por E-mail