Há exatos 40 anos Renato Gaúcho estreava no Grêmio
  • Há exatos 40 anos Renato Gaúcho estreava no Grêmio

    Foto: Hosana de Lourdes
    Esqueça o Olímpico, o Beira-Rio, o Maracanã ou o Morumbi. A estreia de Renato Gaúcho pelo time profissional do Grêmio, que completa 40 anos nesta segunda-feira, ocorreu a mais de mil quilômetros de Porto Alegre. Em uma cidade na qual o hotel não tinha cobertores suficientes para a delegação e o estádio leva o apelido de "Loucão".
    No dia 15 de junho de 1980, o elenco tricolor desembarcou na pequena Maracaju, no recém-criado estado do Mato Grosso do Sul, a 160 quilômetros da capital Campo Grande. À época com cerca de 10 mil pessoas, a cidade estava em polvorosa pela presença dos gremistas.
    E tudo faz sentido. Assim como muitos municípios do Centro-Oeste, Maracaju é praticamente uma colônia gaúcha dentro do Brasil. Na segunda metade do século passado, milhares de pessoas deixaram o Rio Grande do Sul para explorar o potencial agrícola daquelas terras.
    O então prefeito Luiz Gonzaga Prata Braga, conhecido até hoje como "Louco" pela megalomania de suas ideias para a cidade, decidiu erguer um estádio de futebol para 5 mil pessoas. Ou seja, metade da população caberia lá. Batizou-o com o próprio nome, claro, e foi questão de tempo para o apelido "Loucão" pegar.
    Em uma roda de amigos, Prata ouviu o pedido para colocar Grêmio ou Inter em campo na partida de inauguração. Por meio do governador Harry Amorim Costa, que era gaúcho, conseguiu acertar com o Tricolor. O adversário seria o Comercial, justamente o Colorado do Mato Grosso do Sul.
    — Eu só fazia coisa de louco mesmo! Não conhecia ninguém do Grêmio, mas foi um jogo muito bonito. Posso dizer que o Renato "nasceu" lá, porque foi o primeiro jogo. E o Loucão está esperando ele de novo — brinca Prata, hoje com 82 anos.

    Corrida por cobertores e a proximidade com os ídolos

    O Mato Grosso do Sul está longe de ser um estado de clima frio. Mas na noite da véspera da partida a temperatura despencou. E o dono do mais novo hotel de Maracaju precisou correr para atender à delegação gremista.
    — O hotel onde a delegação se hospedou estava sendo inaugurado também. A temperatura caiu à noite e faltou coberta para os jogadores. Aí o dono me procurou, fomos numa loja e conseguimos cobertores emprestados — relata o cônsul do Grêmio na cidade à época, Francisco Alves Fialho.
    A família de Francisco havia deixado Vacaria, na Serra, no início da década de 70, para buscar o eldorado das terras férteis do Centro-Oeste. Mas o amor pelo Tricolor só aumentava na figura do filho, Alexandre. Então com 11 anos, o garoto não se continha com a euforia de ver os ídolos de perto.
    — Nós fomos a Campo Grande, porque o meu pai ajudou no transporte da delegação até Maracaju. O presidente Rafael Bandeira foi no carro dele. Tive o privilégio de ir no ônibus com os jogadores e sentei ao lado do China. Era tudo muito grandioso para mim — recorda Alexandre, hoje com 52 anos.
    No dia do jogo, o pequeno torcedor também teve acesso ao vestiário. Acompanhou atento à preleção do técnico Valdir Espinosa, que reforçou aos jogadores a necessidade de empenho em campo mesmo em um amistoso. Aí entra uma lembrança ambígua de Alexandre.
    — O Renato na época era uma grande promessa. Tive a oportunidade de entrar em campo com ele. Eufórico, pedi para me dar a camiseta. Mas quando terminou a partida, os jogadores foram muito assediados. Nem vi mais quando ele saiu. Lembro que reclamei muito para o meu pai porque não ganhei a camiseta — recorda, com bom humor, Alexandre, que aparece à frente de Renato em uma das poucas fotos existentes daquela partida.

    Foto: Alexandre Fialho

    Renato atrai atenção dentro e fora do campo

    Em campo, os gremistas não responderam ao pedido de Espinosa e, mesmo com força máxima, perderam por 1 a 0 para o Comercial. "A gauchada queria me matar", lembra o prefeito Prata. O ponta direita Renato, então aos 17 anos, foi substituído no segundo tempo por Jurandir. Mas já deixou a marca em seu primeiro "rival", o lateral-esquerdo Diogo.
    — Eu tinha 27 anos, era mais experiente que ele. Mas tinha muita saúde, forte, partia para cima. Garotão novo, correndo que nem maluco. Não imaginava que ia virar essa fera. Tinha que chegar duro, senão ia deitar. E o time era bom: Baltazar, China, Bonamigo. A gente queria ganhar. Era que nem jogo de campeonato. Para nós, valia a vida — recorda Diogo, hoje com 67 anos.
    "Ele fez um furacão! Tocava a bola para cima dos adversários, levantou a torcida. Era o Renato. Não tenho dúvida nenhuma" (Adalberto Preis, atual vice-presidente e conselheiro do clube à época)
    • Comercial-MS (1): Moacir; Cruz, Alaércio, Reocir e Diogo; Mário, Helinho e Genildo; Cido, Alcione (Ninho) e Corisco.
    •  
    • Grêmio (0): Remi; Mauro, Newmar, Vantuir e Dirceu; Vitor Hugo, China (Bonamigo) e Jorge Leandro; Renato (Jurandir), Jésum e Baltazar.
    Foto: Viviane Fialho

    As lembranças dos gremistas sobre o desempenho de Renato na partida são difusas. Até porque, apesar de promessa, ele ainda era ofuscado pelos "selecionáveis" Baltazar e Paulo Isidoro. Mas ele já possuía um público fiel na torcida que o acompanharia depois na carreira.
    — Não existia muita expectativa na figura do Renato. Era do Paulo Isidoro, Baltazar, que tinham jogado na seleção brasileira. Eu tinha 16 anos na época, e o Renato era o mais bonitinho. Essa era a expectativa da mulherada, que já tinha visto ele em fotos antes do jogo — relata a jornalista sul-mato-grossense Hosana de Lourdes.
    Ou seja, uma estreia para lá de discreta do jogador que, apenas três anos depois, se tornaria o maior ídolo da história do clube ao marcar dois gols na final do Mundial contra o Hamburgo. E, mais tarde, seria campeão da Libertadores pelo Grêmio como técnico. Quarenta anos após o primeiro jogo, Renato fez tanto pelo clube que hoje também é estátua na Arena.

    Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

    * Colaborou Lucas Bubols fonte Globo Esporte

    Nenhum comentário

    Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!

    Seguir por E-mail