• Maracanã chega aos 70 anos como estádio campeão no campo da música

    Maracanã
    “Domingo, eu vou ao Maracanã / Vou torcer pro time que sou fã”, comemora Neguinho da Beija-Flor nos versos do samba que compôs e lançou em disco de 1979. O samba O campeão (Meu time) é uma das músicas feitas por compositores brasileiros sob a inspiração do Estádio Jornalista Mário Filho, (bem) mais conhecido como Maracanã e popularmente chamado de Maraca no bate-papo informal e apaixonado dos torcedores.
    Construído na cidade do Rio de Janeiro (RJ) a partir de 1948 para a Copa do Mundo disputada no Brasil em 1950 e oficialmente inaugurado em 16 de junho daquele ano, o Maracanã completa 70 anos como estádio campeão no campo da música.
    Palco de antológicos shows de artistas estrangeiros como Frank Sinatra (1915 – 1998), Madonna, Paul McCartney e Tina Turner, o estádio carioca também abrigou memoráveis apresentações de astros brasileiros como Ivete Sangalo, Los Hermanos, Roberto Carlos e Sandy & Junior.
    Pela aura mitológica que circunda o Maracanã no cotidiano da cidade do Rio de Janeiro (RJ), o estádio também tem sido o muso inspirador de músicas sobre futebol feitas por compositores de várias estilos ao longo desses 70 anos de vida. Compositores naturalmente cariocas e/ou residentes na cidade do Rio de Janeiro (RJ), em maioria, mas também de outros estados do Brasil.
    “Praia e sol / Maracanã e futebol / Domingo / Praia e sol / Maracanã e futebol / Que lindo”, rimou Bebeto na ginga popular do samba Praia e sol (parceria com Adilson Silva, de 1982), um dos maiores sucessos desse cantor e compositor de origem paulistana e obra carioca.
    Na área musical, o pontapé inicial no Maracanã foi dado ainda em 1950 pelo Vagalumes do Luar, conjunto vocal que gravou Colosso do Maracanã, composição de Ari Machado e Anthony Sergi, mais conhecido como Totó.
    Em 1958, o compositor paulista Denis Brean (1917 – 1959), em parceria com o conterrâneo Osvaldo Guilherme, lançou o tema Vingamos Maracanã com o toque da Orquestra Columbia para celebrar a vitória do Brasil na Copa do Mundo da Suécia, naquele ano, e ir à forra pela derrota amargada pela Seleção e pelo povo brasileiro na final da Copa de 1950, disputada no Maracanã.
    Craques cariocas, os compositores Francis Hime e Paulo César Pinheiro fizeram gol de placa ao louvar o estádio no samba Maracanã (1997), em cuja letra o poeta compara o templo do futebol a uma catedral. Nessa letra, Pinheiro menciona o domingo, dia sagrado para os torcedores cariocas. O que justificou plenamente o título, Domingo tem Maracanã, do samba composto e lançado 25 anos antes pelo cantor Pedro Paulo.
    De 1972, o samba Domingo tem Maracanã tem arquitetura mais simples do que a construção rebuscada de Mar de Maracanã, composição de Guinga e Edu Kneip lançada por Guinga em 2007 e regravada pelo autor em 2013 em disco dividido com o vascaíno Francis Hime.
    Cinquenta anos antes, com empolgação carnavalesca, a cantora carioca Gilda de Barros (1927 – 2010) seguiu em 1963 o bloco da torcida musical com a gravação da marcha A bola do Maracanã (Gracia e Chavito).
    Com poesia que desceu mais redonda, os compositores Toquinho e Mutinho perfilaram a dona dos jogos no Maracanã no samba A bola, lançado na voz de Moraes Moreira (1947 – 2020) no álbum infantil Casa de brinquedos (1983).
    “Quando eu balanço a rede, é festa no Maracanã”, comemorou Moreira, novo baiano que, no mesmo ano de 1983 em que gravou A bola, apresentou Saudades do Galinho, marcha-frevo autoral em que destilou a nostalgia que sentia nas tardes de domingo sem “Zico no Maracanã”.
    Os compositores cearenses Fagner e Fausto Nilo também saudaram o Maracanã em Bola no pé, pseudo-samba gravado por Fagner em 1985 com arranjo turbinado com guitarras.
    Enfim, cariocas, paulistas, cearenses, gregos ou baianos, todos os compositores sabem que o Maracanã é o estádio campeão e invicto do Brasil no campo da música.

    Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

    Por Mauro Ferreira/G1
    Jornalista carioca que escreve sobre música desde 1987, com passagens em 'O Globo' e 'Bizz'. Faz um guia para todas as tribos

    Nenhum comentário

    Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!