Absurdo o que estão fazendo com o pulmão da terra
  • Absurdo o que estão fazendo com o pulmão da terra

    Flora e Fauna

    O planeta perdeu em menos de 50 anos mais de dois terços de seus vertebrados e as regiões tropicais das Américas Central e do Sul são as mais atingidas, com um colapso que alcança 94%, de acordo com um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF).
    A atividade humana e sua sociedade de consumo degradou também três quartos das terras e 40% dos oceanos. De concreto, o desmatamento e a expansão agrícola são os maiores responsáveis para explicar o desaparecimento de 68% dos vertebrados entre 1970 e 2016, informou a 13ª edição do Índice Planeta Vivo publicado nesta quarta-feira.
    O relatório, elaborado a cada dois anos pela WWF Internacional em colaboração com a Zoological Society de Londres, alerta também para o risco de epidemias futuras, à medida que o homem estende sua presença e entra em contato com animais selvagens.
    “Durante 30 anos, estamos seguindo neste queda (da biodiversidade), que se acelera. Continuamos indo na direção errada”, declarou à AFP o diretor-geral da WWF, Marco Lambertini.
    “Em 2016, documentamos uma diminuição de 60%, agora 70%”, um lapso que representa “um abrir e fechar de olhos se comparado com os milhões de anos de vida de muitas espécies neste planeta”, analisou Lambertini.

    – Queda “avassaladora” –

    A principal causa desta perda de biodiversidade é a modificação das terras, especialmente quando a indústria converte os bosques em fazendas ou explorações agrícolas, destruindo o habitat dos animais selvagens. A isso, somam-se as espécies invasivas e a contaminação.
    No total, um terço da superfície terrestre e três quartos dos recursos de água doce são dedicados à produção de alimentos. Nos oceanos, 75% das reservas de peixes sofrem com sobrepesca.
    Embora global, o problema é mais acentuado em determinadas regiões.
    Nas regiões tropicais das Américas Central e do Sul a perda é quase absoluta, alcançando 94%, especialmente para anfíbios, répteis e peixes, devido a um “coquetel” de fatores, como o uso exagerado e o desenvolvimento da energia hidroelétrica, que “impacta de forma severa as populações” de peixes e representa “uma ameaça ainda maior no futuro”.
    O Índice alerta também que doenças são o principal perigo para os anfíbios. No Panamá, por exemplo, o fungo responsável pela quitridiomicose (uma doença infecciosa) causou uma enorme mortalidade, provocando o desaparecimento de 30 espécies.
    “É assustador. Um indicador de nosso impacto sobre a natureza”, lamentou Lambertini.

    – Sociedade, de “triste a preocupada” –

    O novo Índice foi publicado em conjunto com um estudo elaborado por mais de 40 instituições acadêmicas e ONGs que enumera as maneiras de frear e reverter as perdas provocadas pela ação do homem.

    A pesquisa, publicada pela revista Nature, conclui que reduzir o desperdício de alimentos e favorecer dietas mais saudáveis e mais favoráveis ao meio ambiente poderia conter a degradação.
    Combinadas com um esforço radical de conservação, estas medidas poderiam evitar mais de dois terços das futuras perdas em biodiversidade, calculam os autores.
    “Devemos atuar agora. O ritmo de recuperação é geralmente muito mais lento” do que as perdas, informou David Leclere, autor principal do estudo e pesquisador do International Institute of Applied System Analysis, da Áustria.
    “Se demorarmos, haverá mais perdas e serão necessárias décadas para recuperá-las”, continuou Leclere, admitindo, porém, que algumas perdas são “irreversíveis” caso uma espécie tenha sido extinta, por exemplo.
    Lambertini explicou que, assim como a mudança climática, as sociedades estão cada vez mais sensibilizadas com o vínculo entre o estado do planeta e a saúde humana.
    “Antes, as pessoas ficavam tristes por causa da degradação da natureza, agora começam a ficar preocupadas”.
    “Ainda temos um dever moral de co-existir com a vida no planeta, mas agora também se leva em consideração os impactos em nossa sociedade, nossa economia e, consequentemente, em nossa saúde”, concluiu.

    Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

    Nenhum comentário

    Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!

    Seguir por E-mail