"Não existe mais ficar em cima do muro", diz Julia Lemmertz

"Não existe mais ficar em cima do muro", diz Julia Lemmertz

Julia Lemmertz

A atriz 
Julia Lemmertz está em Música para Quando as Luzes se Apagam, que chega aos cinemas na próxima quinta-feira (22/7). Rodado no Vale do Taquari, o filme entrelaça ficção e realidade, abordando a transição da adolescente Emelyn (Emelyn Fisher) em Bernardo. O longa marca a estreia do escritor e ator Ismael Caneppele na direção. Filha dos também atores Lineu Dias e Lílian Lemmertz, Julia tem visto seus dois filhos seguindo o caminho artístico: Luiza também é atriz e Miguel, rapper. Ela ainda deve marcar presença na próxima novela inédita das 19h da Globo, Quanto Mais Vida Melhor, prevista para estrear no final do ano. Além disso, Julia costuma ser uma artista engajada em causas sociais e políticas. Nesta entrevista, ela falou sobre seus trabalhos, a pandemia e seus anseios com a situação do país. 

Música para Quando as Luzes se Apagam é um filme que usa a linguagem documental, com camadas de realidade e ficção. O que te levou a esse projeto?
Conheci o Ismael no Festival do Rio. Na ocasião, Os Famosos e os Duendes da Morte (longa baseado no romance homônimo de Caneppele, em que o próprio escritor atua) ganhou como melhor filme. Eu era jurada. Fiquei encantada com o filme. Passou um tempo, Ismael me ligou e falou que tinha o roteiro de um livro que escreveu, que queria filmar e perguntou se eu estava a fim de fazer. Li o roteiro e vi que era outra proposta. Era história de um guri que virava uma garota, tinha a ficção mais forte. À medida que o projeto foi avançando, Ismael encontrou a Emelyn, e ela tinha uma história parecida – se descobria menino. Ela teve essa entrada no corpo masculino bem acolhida pela família. A partir disso, Ismael quis falar desse corpo que se transforma: qual é sua busca para ser inteiro? Para ser real consigo mesmo? Faz diferença se você é homem ou mulher? Eram tantas questões que ele quis fazer um filme que falasse dessa vida real. Por isso a linguagem documental. O meu papel é um pouco como se fosse clarear a escolha para Emelyn, entender melhor esse corpo. Foi uma viagem para todo mundo que fez esse filme. Foi uma experiência única.

Leia a matéria completa clicando aqui

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Fonte ClicRBS 

Post a Comment

Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!

Postagem Anterior Próxima Postagem