Saiba detalhes sobre a vacina da Pfizser, a única liberada para imunizar adolescentes no Brasil

Saiba detalhes sobre a vacina da Pfizser, a única liberada para imunizar adolescentes no Brasil

Vacina da Pfizer

Com o avanço da vacinação contra a 
Covid-19Até o momento, a Pfizer é a única vacina contra a Covid-19 autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação em crianças e adolescentes acima de 12 anos no Brasil. Segundo a Anvisa, o uso foi aprovado após análise dos estudos desenvolvidos pelo laboratório que indicam segurança e eficácia para esse grupo., estados e municípios planejam a imunização de adolescentes de 12 a 17 anos. São Luís, no Maranhão, foi a primeira capital a começar a vacinar esse público. Na terça-feira (13), teve início a vacinação dos jovens de 17 anos sem comorbidades. Na quarta-feira (14), foi a vez dos jovens de 16 anos.

O Governo de São Paulo anunciou que a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos terá início no dia 23 de agosto. Outros estados e municípios também planejam ou deram início à imunização deste grupo.

Até o momento, a Pfizer é a única vacina contra a Covid-19 autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação em crianças e adolescentes acima de 12 anos no Brasil. Segundo a Anvisa, o uso foi aprovado após análise dos estudos desenvolvidos pelo laboratório que indicam segurança e eficácia para esse grupo.

Especialistas consultados pela nossa redação explicam que o imunizante da Pfizer é o único que concluiu a fase de estudos com o público entre 12 e 17 anos e que outras vacinas estão em testes no mundo.

Entenda os riscos de reações adversas

Segundo os especialistas, o risco de reações adversas à vacinação por adolescentes é semelhante ao de adultos. Os efeitos mais comuns são sensibilidade, dor e inchaço no local da aplicação, dor no corpo e febre baixa. Algumas pessoas também podem apresentar fadiga e calafrios. Os sintomas podem aparecer logo após a aplicação, ou entre 24 e 48 horas, e cessam em poucos dias.

A diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – Regional do Espírito Santo, Ana Paula Burian, pondera que o conhecimento sobre efeitos colaterais nesse público só poderá ser aprofundado a partir do início da imunização em grandes populações.

“Só temos como falar dos riscos quando estabelecemos o público-alvo. Quanto mais gente vacinada, mais chances de ter evento adverso mais raro. Pensando na vacina da Pfizer, o que vemos de reação é dor no local da aplicação, inchaço, febre e dor no corpo, o mesmo que vemos de maneira geral em todas as vacinas”, explica.

No dia 9 de julho, a Anvisa fez um alerta sobre casos raros de duas condições clínicas relacionadas à vacina da Pfizer identificados nos Estados Unidos: miocardite, inflamação do músculo cardíaco, e pericardite, inflamação do tecido que envolve o coração.

De acordo com a Anvisa, até o momento não há relato das complicações no Brasil, e o risco de ocorrência é baixo. A agência reforçou que mantém a recomendação de continuidade da vacinação com o imunizante, dentro das indicações descritas em bula.

De acordo com o presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Renato Kfouri, o organismo dos adolescentes reage positivamente à vacinação contra a Covid-19. “Estudos mostram uma resposta imune mais robusta em adolescentes do que em adultos. O sistema imunológico responde bem às vacinas de forma geral”.

Para o infectologista Álvaro Furtado, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), a vacinação dos adolescentes, quando disponível, não deve ser alvo de preocupação entre os pais. “Se as vacinas que forem introduzidas no calendário já tiverem sido estudadas na pediatria, como a vacina da Pfizer, que foi analisada em adolescentes e mostrou segurança, não há motivo para preocupação”, afirmou.

Pesquisadores defendem vacinação com as duas doses antes da ampliação dos públicos

Segundo os pesquisadores, antes de avançar o calendário de imunização para faixas etárias mais jovens, é preciso garantir a vacinação da população com as duas doses das vacinas.
“Antes de ampliar público-alvo para a vacina precisamos garantir o esquema completo do público que está em aberto. Ter um número gigantesco de pessoas com uma dose não gera proteção contra a Covid-19. Precisamos garantir que as pessoas completem o esquema com as duas doses”, reforçou Ana.
A pesquisadora defende que a ampliação da vacinação para o público adolescente seja definida em acordo com o Programa Nacional de Imunizações (PNI). “A vacinação não é uma análise individual. A vacina para a Covid-19 é uma análise de dados epidemiológicos e de saúde coletiva. Isso tem que ser uma estratégia do PNI e não uma estratégia política”, afirmou.
Segundo Ana, a falta de coordenação na vacinação pode comprometer a proteção coletiva e dividir estratégias públicas para a vacinação. “Não adianta uma cidade ou estado começar a vacinar adolescentes, isso tem que ser um planejamento nacional. Assim, a gente amplia o número de pacientes com uma única dose, não completa o esquema de um grande público, dividindo estratégias públicas de vacinação”, ponderou.
Os pesquisadores ressaltam que a vacinação do público adolescente é importante, mas não é uma prioridade neste momento. “Quem está de fato tendo formas graves ou morrendo de Covid-19, de maneira geral, não é o público adolescente. Obviamente, temos exceções como os adolescentes que têm doenças crônicas com gravidade e baixa imunidade, um grupo que tem maior risco”, afirma Ana.
“As chances de um adolescente ou criança evoluir para formas graves de Covid-19 são muito pequenas, diferentemente do que vemos em outros grupos populacionais, como adultos e pessoas com comorbidades”, complementou Álvaro.
Ana destaca a importância da imunização dos adolescentes de acordo com o calendário de vacinação de rotina desse grupo, que inclui vacinas contra a gripe, HPV (infecção sexualmente transmissível causada pelo papilomavírus humano), meningite, hepatite B, além da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e antitetânica.

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Fonte CNN Brasil

Post a Comment

Curta nossa página no Facebook, Instagram e Twitter venha fazer parte da família Lully FM!

Postagem Anterior Próxima Postagem