Lully FM - La Profundidade 88.1 - Música Lully FM - La Profundidade 88.1: Música - All Post
Mostrando postagens com marcador Música. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Música. Mostrar todas as postagens

Chico Buarque dá razão a feministas e tira música do repertório

Chico Buarque

O cantor Chico Buarque resolveu tirar a música “Com Açúcar, com Afeto” de seu repertório musical. A música, de sua autoria, na voz de Nara Leão, vem sofrendo críticas do movimento feminista, por conter aspectos machistas na letra.

A atitude do ator em relação à música foi anunciada na séria documental da Globoplay, “O canto livre de Nara Leão”. Nela, o cantor fala que a cantora solicitou uma música sobre uma mulher sofrida.

“Ela me pediu a música, ela me encomendou essa música, ela falou ‘Eu quero agora uma música de mulher sofredora’. E deu exemplos de canções do Assis Valente, Ary Barroso, aqueles sambas da antiga, onde os maridos saíam para a gandaia e as mulheres ficavam em casa sofrendo, tipo “Amélia”, aquela coisa. Ela encomendou e eu fiz”, pontuou Buarque.
Ainda de acordo com longa, o cantor afirma que na época da composição não tinha a consciência do machismo na composição.

“Eu gostei de fazer [a canção]. A gente não tinha esse problema [a crítica das feministas]. É justo que haja, as feministas têm razão, vou sempre dar razão às feministas, mas elas precisam compreender que naquela época não existia, não passava pela cabeça da gente que isso era uma opressão, que a mulher não precisa ser tratada assim. Elas têm razão. Eu não vou cantar Com açúcar e com afeto mais e, se a Nara estivesse aqui, ela não cantaria, certamente”, contou Chico.

Confira a letra da música “Com Açúcar, com Afeto”

Com açúcar, com afeto
Fiz seu doce predileto
Pra você parar em casa
Qual o quê
Com seu terno mais bonito
Você sai, não acredito
Quando diz que não se atrasa
Você diz que é um operário
Sai em busca do salário
Pra poder me sustentar
Qual o quê
No caminho da oficina
Há um bar em cada esquina
Pra você comemorar
Sei lá o quê
Sei que alguém vai sentar junto
Você vai puxar assunto
Discutindo futebol
E ficar olhando as saias
De quem vive pelas praias
Coloridas pelo sol
Vem a noite e mais um copo
Sei que alegre ma non troppo
Você vai querer cantar
Na caixinha um novo amigo
Vai bater um samba antigo
Pra você rememorar
Quando a noite enfim lhe cansa
Você vem feito criança
Pra chorar o meu perdão
Qual o quê
Diz pra eu não ficar sentida
Diz que vai mudar de vida
Pra agradar meu coração
E ao lhe ver assim cansado
Maltrapilho e maltratado
Como vou me aborrecer?
Qual o quê
Logo vou esquentar seu prato
Dou um beijo em seu retrato
E abro os meus braços pra você

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM! 

Milena Cerqueira

Formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), tenho interesse e experiência em jornalismo cultural, comunicação interna e assessoria de imprensa. Na área acadêmica, realizei pesquisa referente ao trabalho de conclusão de curso nas áreas de música e cultura pernambucana.

Nicki Minaj e seu novo single "Do We Have A Problem!?"

Nicki Minaj

Com estreia agendada para esta sexta-feira, 28, na grade da Lully FM, Nicki Minaj está de volta! A rapper anunciou que lançará uma nova música, chamada "Do We Have A Problem!?". A Faixa é uma parceria com Lil Baby e chegará às plataformas digitais no dia 4 de fevereiro.

Vale lembrar que o último álbum de Nicki Minaj, "Queen", foi lançado em 2018. Desde então, a rapper tem se dedicado a momentos com o filho e gravou algumas colaborações com Jesy NelsonBiaPolo G e Drake.

De acordo com a imprensa internacional, a música chegará acompanhada de um clipe que deve "impactar os fãs".


Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Fonte Vagalume

Apresentador do Spotify fez comentários racistas

Joe Rogan

Neil Young não é o único que quer distância de Joe Rogan. O apresentador causa controvérsia há vários anos, ao mesmo tempo em que ganha milhões de ouvintes nos EUA.

O Spotify começou a remover as músicas de Neil Young, que criticou a empresa por hospedar o podcast com mentiras sobre a Covid. Ele disse que não queria ficar na mesma plataforma que Joe Rogan e pediu para sair.

Joe Rogan tem histórico de falas preconceituosas, com racismo e transfobia, e também de informações falsas - não só sobre as vacinas. Mesmo assim, ele é extremamente popular nos EUA.

Joe Rogan, 54 anos, é comentarista de UFC, humorista e apresentador. O "The Joe Rogan Experience" é o podcast mais ouvido do Spotify, que tem os direitos do programa. Segundo o "Wall Street Journal", a empresa pagou mais de US$ 100 milhões pela exclusividade do podcast.

Desde que fechou contrato com Joe Rogan, o Spotify é alvo de críticas. A empresa sueca tenta contornar as controvérsias sem perder seu apresentador que atrai cerca de 11 milhões de ouvintes por episódio.

O site da revista "Variety" descobriu em 2021 que o Spotify, sem alarde, tirou do ar alguns dos episódios mais problemáticos, como a entrevista com um líder do grupo supremacista branco Proud Boys, que dizia que os muçulmanos não deveriam se misturar às pessoas de países ocidentais.

A empresa diz também ter apagado mais de 20 mil episódios de podcasts em todo o mundo com informações falsas sobre a Covid desde o início da pandemia.

Veja algumas das mentiras e preconceitos de Joe Rogan:

Vacinas não são necessárias

A declaração que fez Neil Young sair do Spotify ecoa desinformação sobre vacinas contra a Covid. "Se você tem uns 21 anos e diz para mim: 'Será que eu devo me vacinar?'. Eu digo que não", Joe Rogan afirmou para seus milhões de ouvintes.

Ele disse que se uma pessoa estiver saudável não precisa tomar a vacina. A fala foi tão irresponsável que recebeu resposta de Anthony Fauci, que foi o principal cientista dos EUA no combate à Covid. "Isso está incorreto", ele cravou em uma participação no programa "Today".

Joe Rogan também já usou o programa várias vezes para defender medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid.

No dia 12 de janeiro de 2022 um grupo de 270 cientistas dos EUA divulgou uma carta aberta ao Spotify criticando Joe Rogan pelo "histórico preocupante de transmitir desinformação, especialmente sobre a pandemia de Covid" e pedindo à empresa políticas mais claras para moderar este conteúdo.

Transfobia e racismo

Joe Rogan já teve diversas falas criticadas por pessoas trans e defensores dos direitos LGBTQIA+. Em 2013, por exemplo, ele disse sobre uma lutadora trans: "Ela se chama de mulher... mas eu discordo". Ele também já disse que ela era "um homem sem um pênis".

Ele também ofendeu as irmãs Kardashian e disse que talvez Caitlyn Jenner tivesse "se transformado em uma pi*anha" por ter convivido com elas. Caitilyn respondeu ao site TMZ: "Ele é um homofóbico e transfóbico."

Outro tipo de ofensa repetida por Rogan é um termo racista contra pessoas negras - em um vídeo, ele pronuncia diversas vezes a "palavra com N". Outro vídeo mostra o apresentador comparando um bairro de pessoas negras ao filme "O Planeta dos Macacos".

Falsos incêndios

Em 2020, Rogan repassou aos seus milhões de ouvintes a informação falsa de que "ativistas" de esquerda teriam colocado fogo em florestas do Oregon e causado os enormes incêndios que devastavam a região na época.

Depois, ele se desculpou no Twitter, dizendo que "foi irresponsável de não conferir antes de repetir" a informação.

Graça de abuso sexual

Outro episódio muito criticado de Joe Rogan foi quando o comediante Joey Diaz foi ao seu programa e afirmou que forçava mulheres a fazerem sexo em troca de poderem se apresentar em um clube de comédia. Ele conta detalhes dos abusos enquanto Joe Rogan bate palmas e ri.

Neil Young sai, Joe Rogan fica

Neil Young, que sobreviveu à pólio quando criança, publicou brevemente uma carta em seu site endereçada ao seu empresário e sua gravadora, Warner Music Group, exigindo que o Spotify não disponibilizasse mais suas músicas. A carta foi posteriormente apagada.

Em uma segunda publicação, o cantor afirmou que a plataforma "se tornou o lar de desinformação que coloca vidas em risco" e que tem "mentiras vendidas por dinheiro".

O Spotify se defendeu das acusações em declaração nesta quarta, na qual afirma que removeu mais de 20 mil episódios relacionados à Covid desde o começo da pandemia, mas que busca equilibrar a segurança dos ouvintes com a liberdade para criadores.

"Sentimos muito pela decisão de Neil em remover sua música do Spotify, mas esperamos recebê-lo de volta em breve."

Em seu site, Young afirmou que ficou sabendo do problema ao saber da união de centenas de cientistas, professores e especialistas em saúde pública em um pedido para que a plataforma retirasse do ar um episódio do podcast de Rogan. Nele, o apresentador conversava com imunologista que, segundo o grupo, divulgava "diversas mentiras sobre vacinas contra a Covid".

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Fonte g1

Paula Toller cita 'segredos' da eterna juventude

Paula Toller 

A alguns meses de completar 60 anos, em agosto,
 Paula Toller é sempre questionada sobre a fonte de sua eterna juventude. Cantora e compositora de sucesso e musa incontestável da música brasileira, ela diz que não existe uma receita milagrosa, mas lista alguns "segredos" simples, como se alimentar bem e manter vivo o espírito de criança.

"Tem a genética que conta muito. Meu pai saía comigo e todo mundo achava que ele estava pegando uma menininha. Não tenho grandes restrições, tenho é uma certa disciplina. Meu maior luxo é comer bem, comida bem caseira. Também tenho uma vibe de criança. Gosto de pular, de brincar, não gosto de me levar a sério. Sem humor, a vida não tem graça", disse Paula Toller em entrevista a Washington Olivetto no W/ Cast. 

Durante a conversa, a cantora ainda fez uma revelação sobre a recusa para viver Bete Balanço no cinema. A personagem dava nome ao filme, lançado em 1984, que virou febre naquela década e que acabou sendo estrelado por Débora Bloch.

"Quando o Kid (Abelha) estourou e era aquela coisa, fazíamos milhões de shows, fui convidada para fazer um filme, era um filme sobre música e era o 'Bete Balanço'. O diretor (Lael Rodrigues) me chamou, me mandou o roteiro e queria que eu fizesse o papel principal. Eu li, mas achei o roteiro muito estereotipado, no sentido do presidente da gravadora ser do mal, um explorador dos artistas novos. Não aceitei por culpa do André Midani (produtor, morto em 2019). Eu conhecia um presidente de gravadora, que era ele, que era um cara moderno, não careta. Achei que não saberia fazer, até porque eu não sou atriz e foi feito maravilhosamente bem pela Débora Bloch. Um filme fez um enorme sucesso".


Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Bryan Adams lança novo single na programação da Lully FM - "Never Gonna Rain"

Bryan Adams

Bryan Adams está preparando para o dia 11 de março o lançamento de um novo disco, "So Happy It Hurts", o 15º da sua carreira! 

Como forma de amenizar a curiosidade dos fãs, o músico aproveitou para lançar o single e o vídeo da faixa "Never Gonna Rain". 

Assista logo abaixo a essa novidade e confira a música também na programação da Lully FM!


Vale lembrar que Bryan Adams já revelou outros três singles: a faixa-título, "So Happy It Hurts"; "Kick Ass" e "On The Road".

Bryan é responsável por ter liderado as paradas de sucesso em mais de quarenta países. Ele acumula em sua carreira 3 indicações ao Oscar, 5 ao Globo de Ouro, um Grammy, um AMA e uma estrela na calçada da fama de Hollywood. Além da música, ele se consolidou como um fotógrafo de renome internacional, como na edição deste ano do conceituado calendário Pirelli.

 Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM!

Sony compra catálogo de Bob Dylan que tem valor estimado em US$ 200 milhões

Disco que celebrou os 30 anos de carreira de Bob Dylan

Bob Dylan fez mais um grande negócio com a sua obra. Depois de vender os direitos autorais de suas canções para a Universal por, especula-se, US$ 300 milhões, o cantor e compositor de 80 anos agora passou definitivamente a posse de suas fitas master para a Sony, a gravadora que, com exceção de um pequeno período nos anos 70, sempre foi a sua casa, em uma parceria que teve início em 1962.

Estima-se que essas fitas tenham um valor na casa dos US$ 200 milhões. Nem a gravadora e muito menos Dylan, revelaram os valores da transação. O cantor também renovou contrato com a companhia, ainda que não haja nenhum plano de que o sucessor de "Rough And Rowdy Ways" (2020) venha a ser lançado em um futuro próximo.

Isso não chega a ser um problema, já que o o cantor tem uma enorme quantidade de material nunca lançado pronto para ganhar lançamento oficial. São outtakes, gravações ao vivo e versões alternativas que ficaram arquivadas e, desde os anos 90, estão sendo lançadas dentro das "Bootleg Series".

A série já tem vários volumes cobrindo várias fases de sua carreira - o 16° volume, com raridades do período de 1980 a 1985 saiu no ano passado e sua versão mais completa tem cinco CDs .

O negócio já havia sido fechado em 2021, mas só agora ele foi tornado público. Em comunicado oficial, Bob Dylan disse o seguinte: "“A Columbia Records e Rob Stringer (o presidente geral da companhia) foram muito bons para mim por muitos, muitos anos e muitos discos. Estou feliz que todas as minhas gravações possam ficar no lugar que lhes é de direito".

Os únicos trabalhos que o cantor gravou em outra gravadora: "Planet Waves" e o ao vivo "Before The Flood", ambos de 1974 pela Asylum Records, já estavam há décadas com a Columbia.

O anúncio chega poucas semanas depois que a mesma gravadora já havia feito uma compra vultuosa de catálogo. No caso de Bruce Springsteen, a Sony pagou, acredita-se US$ 500 milhões.

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM! 

Fonte Vagalume

Com "Easy On Me", Adele chega à décima semana no topo da parada de singles dos EUA

Adele

Pela décima semana não consecutiva, Adele ficou no topo da parada de singles dos EUA com "Easy On Me". Isso significa que a faixa está muito perto de se tornar isoladamente o maior sucesso da cantora no ranking - neste momento, a música acaba de empatar com "Hello", que também apareceu em dez ocasiões no numero 1, em 2015 e 2016.

Quem também está fazendo bonito no Hot 100 é a trilha sonora de "Encanto", a nova animação da Disney. Três músicas do filme estão no top 40, sendo duas entre as dez mais: "We Don't Talk About Bruno", subiu do quarto para o segundo posto e "Surface Pressure",cantada por Jessica Darrow, foi do 14° para o décimo. Mais abaixo, "What Else Can I Do?" foi do 77° para o 31° lugar. "PUSSY POWER (feat. Drake)" de Gunna, na 24ª posição, foi a única estreia no top 40.

Veja o top 10:

1 - "Easy On Me" - Adele (mesma posição)
2 - "We Don't Talk About Bruno", do filme "Encanto" (subiu duas posições)
3 - "Heat Waves"- Glass Animals (mesma posição)
4 - "Stay (With Justin Bieber)" - The Kid Laroi (caiu duas posições)
5 - "Super Gremlin" - Kodak Black (subiu uma posição)
6 - "Shivers" - Ed Sheeran (caiu uma posição)
7 - "PUSHIN P. (feat. Future & Young Thug)" - GUNNA (mesma posição)
8 - "ABCDEFU" - GAYLE (subiu uma posição)
9 - "Cold Heart (With Dua Lipa) (PNAU Remix)" - Elton John (subiu uma posição)
10 - "Surface Pressure" - de "Encanto" (cantada por Jessica Darrow) (subiu quatro posições)

Baixe nosso App na Play Store, siga-nos em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Twitter. Venha fazer parte da família Lully FM! 

Fonte Vagalume